The Boudica Within ou as Guerreiras do cancro

A ideia foi da cirurgiã plástica Elaine Sassoon, chefe do Departamento de Cirurgia Plástica do Hospital Universitário de Norwick e Norfolk. A fotógrafa Andrea O'Hare, autora das imagens, também teve o seu próprio peito reconstruído em 2006. visitar site

A Clinica da Mama da Boavista foi selecionada para participar em Ensaio Clínico. Este ensaio, designado por REMA-REGISTO EPIDEMIOLÓGICO DE CARACTERIZAÇÃO DOS DOENTES COM CANCRO DA MAMA COM DIAGNÓSTICO DE NOVO, é promovido pelas Sociedades Portuguesas de Senologia e de Oncologia e mediado pela empresa KeyPoint. O seu início está previsto para Outubro de 2008.

logo fisiodomusA Fisiodomus é uma empreva que presta serviços de Medicina Física e Fisioterapia com profissionais altamente qualificados. Uma das suas áreas de desenvolvimento é a da recuperação após cirurgia mamária, particularmente nas situações oncológicas. visitar site

guia kids pqO Guia I-Kids é um directório que reúne serviços de qualidade existentes no Grande Porto, dirigidos às Crianças e às suas Mães. visitar site

cmb smic

Actualmente, o Cancro da Mama atinge cerca de uma em cada oito mulheres europeias. A identificação precoce dos tumores malignos permite aumentar as taxas de cura e de conservação da mama.
O exame adequado para o rastreio de Cancro da Mama é a mamografia. Deve ser realizada com 4 imagens, duas em cada mama, com observação craneo-caudal e em perfil.
Idealmente, deverá ser realizada a partir dos 40 anos e em regime anual.

O Grupo SMIC proporciona-lhe a realização de mamografia de rastreio (4 incidências, dupla leitura e relatório escrito), na sua Unidade da Casa de Saúde da Boavista, pelo preço de 30 euro.

Se a mamografia revelar alterações que justifiquem observação médica ou a realização de uma ecografia mamária adicional, poderá obtê-las através da CLÍNICA DA MAMA DA BOAVISTA.
A consulta multidisciplinar terá um desconto de 50% e a ecografia mamária terá um desconto de 25%.

Aproveite! Esta campanha termina a 30 de Abril de 2012.

terça, 08 maio 2012 12:55

Léxico

Escrito por

Nesta secção pode consultar termos relacionados com serviços e tratamentos disponíveis a Clinica da Mama da Boavista.


Adriamicina

Medicamento usado na maior parte dos esquemas de quimioterapia para o cancro da mama. Também chamado de Doxorubicina. Faz parte do grupo das Antraciclinas.

Agulha fina

ver "Biópsia"

Agulha grossa

ver "Biópsia"

Anatomia-patológica

Especialidade médica que se dedica ao estudo das alterações nos órgãos provocadas pelas doenças. Este estudo engloba a observação macroscópica (a olho nu) e a observação microscópica (ao microscópio), para avaliar as alterações ao nível dos tecidos e das células.

Auto-exame

Conjunto de testes de observação e de palpação das mamas, realizado pela própria mulher. Aconselha-se a sua realização mensal, preferencialmente no último dia do período menstrual, a todas as mulheres adultas.


Biópsia

Colheita de pequenas amostras de tecido para estudo anatomo-patológico, com o objectivo de se fazer um diagnóstico. As biópsias podem ser feitas com agulha ou podem ser cirúrgicas, sob anestesia local ou geral, removendo uma parte ou a totalidade da lesão que se quer estudar.

Biópsia com agulha fina

Realizada com uma agulha muito fina (como um alfinete), sem necessidade de anestesia. O produto colhido é constituído por células soltas e permite a realização de um exame citológico (das células). Permite, habitualmente, a distinção entre células benignas e malignas e o resultado pode ser conhecido imediatamente.
Também pode ser designada por biópsia aspirativa ou citologia aspirativa.

Biópsia com agulha grossa

Realizada com uma agulha com cerca de 1mm de diâmetro, habitualmente sob anestesia local. Permite a colheita de pequenos cilindros de tecido, conservando a estrutura e a relação entre as células. Possibilita um diagnóstico mais preciso, como a distinção entre diferentes tipos de tumor e o seu grau de malignidade. Demora 2-3 dias até estar concluída.
Também pode ser designada por microbiópsia ou biópsia “Tru-Cut”.


Cancro

Designação vulgar para tumor maligno.

Carcinoma

Tumor maligno com origem nas células que revestem o organismo, nomeadamente dos diversos tipos de glândulas, como por exemplo a glândula mamária.

Carcinoma Invasor

Tumor que se estende para lá da primeira camada de células de revestimento e que, por isso, tem capacidade para se espalhar para outros órgãos.

Carcinoma In Situ

Tumor inicial, localizado apenas na primeira camada de células.

Cateter

Pequeno tubo de silicone com cerca de 2mm de diâmetro que se coloca dentro de uma veia até às proximidades do coração. Serve para administrar a quimioterapia de forma segura e também permite a colheita de amostras de sangue para análises. Ver “implantofix”.

Ciclofosfamida

Medicamento usado para quimioterapia no cancro da mama.

Cirurgia Conservadora

ver “tumorectomia

Cirurgia Oncoplástica

ver “oncoplástica


Docetaxel

ver “taxanos

Ductal

Variedade mais frequente de carcinoma da mama, assim chamada porque o tumor forma ductos (canais).


Ecografia mamária

Exame de imagem que utiliza ultra sons. Permite distinguir lesões sólidas (nódulos, tumores) de lesões líquidas (quistos), permite avaliar as dimensões das lesões e os seus contornos.

Escorrência mamilar

Saída de pequenas quantidades de líquido pelo mamilo. Pode ser fisiológica (normal) ou traduzir uma doença. Quando a escorrência é constituída por sangue deve ser consultado um médico.

Estadiamento

Processo usado no cancro da mama para avaliar a fase em que a doença se encontra, quando é diagnosticada ou tratada. O tratamento depende do estadio em que cada tumor se encontra.


Fibroadenoma

Tumor benigno da mama, frequente nas mulheres jovens.

Fluoro-uracilo

5-fluorouracilo (5FU) é um medicamento vulgarmente usado para quimioterapia no cancro da mama.


Gânglio

Estrutura de defesa do organismo humano, com importante papel nas doenças oncológicas. Pode ser sede de metástases dos cancros. Existem no pescoço, nas axilas e nas virilhas. Existem também em outros locais menos conhecidos, como junto ao osso esterno (cadeia de gânglios da artéria mamária interna). Também podem existir dentro da mama.

Gânglio sentinela

É o primeiro gânglio a receber as metástases de um cancro da mama. Pode ser identificado e removido através de uma técnica cirúrgica especial, conhecida por Biópsia do Gânglio Sentinela. O estudo do Gânglio Sentinela é fundamental para o estadiamento do Cancro da Mama.


Herceptin

ver “trastuzumab”.

Hormonas

Produtos naturais produzidos pelas glândulas de secreção endócrina, como os ovários, a hipófise ou a tiróide.
O cancro da mama é, em geral, uma doença muito dependente e relacionada com o equilíbrio das hormonas sexuais femininas.

Hormonoterapia

Tratamento que utiliza derivados hormonais, de forma a anular os efeitos das hormonas sexuais normais da mulher (porque a maior parte dos cancros da mama é estimulado pelas hormonas sexuais normais). Pode ser administrado em comprimidos ou injecções, durante longos períodos de tempo.


Implantofix

Variedade de cateter central, totalmente implantado no organismo, não visível depois de colocado, ligado a um pequeno reservatório que é puncionado pelas equipes de enfermagem.


Linfocintigrafia

Exame realizado pela Medicina Nuclear e que permite a identificação das vias de drenagem linfática de cada Cancro da Mama. Consiste na injecção de uma pequena quantidade de um produto com radiação, à volta do tumor da mama. Algumas horas depois, são observadas as imagens da drenagem numa gamma-câmara fixa.

Lobular

Variedade de cancro da mama, a segunda mais frequente. Designa-se assim porque o tumor forma lóbulos (pequenas glândulas).


Mama

Glândula produtora de leite, derivada das glândulas sudoríparas (do suor). Habitualmente em número de duas, mas podem existir mamas supranumerárias, localizadas numa linha que se estende da axila ao púbis (como acontece em outros animais mamíferos).

Medicina nuclear

Especialidade médica que faz diagnóstico por imagem utilizando produtos com radioactividade. São exemplo as linfocintigrafias, as cintigrafias da tiróide e o PET-scan. Também realiza alguns tratamentos com produtos radioactivos, como o Iodo, utilizado em algumas doenças da tiróide.

Mastectomia

Operação para retirar a mama.

Mastectomia radical

Operação para retirar a mama e os gânglios axilares.

Mamoplastia

Operação para remodelar a mama. Pode ser de aumento, para aumentar o tamanho da mama, com recurso a próteses, ou de redução, para pôr a mama mais pequena.

Mastopexia

Operação para “puxar a mama para cima”

Mastopatia fibroquística

Situação clínica onde se observa a existência de um tecido mamário mais denso e um maior número de quistos. Habitualmente reflecte uma reacção exagerada da glândula mamária às variações hormonais ciclícas.

Mamografia

Exame de imagem que utiliza radiação; radiografia da mama. Útil como exame de rastreio para o cancro da mama. Dá mais informação à medida que a glândula mamária vai sendo substituída por gordura e permite observar lesões rádio-opacas, como as microcalcificações.

Microcalcificação

Pequenas acumulações de cálcio na mama, com menos de 1mm de diâmetro, resultantes da morte de algumas células. Algumas microcalcificações estão associadas a tumores malignos.


Neoadjuvante

Tratamento neoadjuvante; também chamado de tratamento primário. No caso do cancro da mama significa a utilização, em primeiro lugar, da quimioterapia e/ou da radioterapia e só depois da cirurgia.

Nódulo

Lesão sólida da mama; tumor. Pode ser benigno ou maligno.


Oncoplástica

Novo conceito de cirurgia que conjuga técnicas de cirurgia plástica mamária com os princípios da cirurgia oncológica, de forma a tratar adequadamente o cancro sem danificar a forma e o aspecto da mama.


Paclitaxel

ver “taxanos”.

Prótese

Dispositivo usado para aumentar o volume ou para reconstruir a mama. Composta por um envólucro de silicone e com um conteúdo de gel de silicone ou de soro.


Quimioterapia

Tratamento que utiliza medicamentos administrados nas veias ou em comprimidos e que se vão distribuir por todo o organismo, de forma a combater células malignas espalhadas ou em circulação.
Utiliza várias combinações de medicamentos, de modo a aumentar a sua eficácia. Realiza-se em várias sessões, que podem variar entre 4 e 8, em geral de 3 em 3 semanas.
As complicações mais frequentes deste tipo de tratamento são os enjoos e vómitos e a queda de cabelo.

Quisto

Lesão de conteúdo líquido, que pode ser mais ou menos espesso. Os quistos mamários são frequentes e normais durante a idade reprodutiva da mulher (até à menopausa). Surgem e evoluem em resposta às variações cíclicas do equilíbrio hormonal da mulher.


Radioterapia

Tratamento que utiliza radiações ionizantes com o objectivo de matar células malignas. Como a cirurgia, é um tratamento loco-regional (dirigido ao tumor e aos gânglios que o rodeiam). Pode ser feito externamente ou dentro do próprio órgão, nos casos em que se conserva a mama (também chamada de radioterapia intersticial ou braquiterapia).

Reconstrução mamária

Operação para reconstruir a mama após uma mastectomia. Pode ser realizada com recurso a tecidos da própria doente (retalhos), com recurso a próteses ou a uma combinação de ambos. Os retalhos mais usados são o retalho de pele e músculo abdominal (TRAM-flap) e o retalho de pele e músculo dorsal.


Sentinela

ver “gânglio sentinela”.


Tumor

ver “nódulo”.

Tumorectomia

Operação para retirar o tumor com uma margem de segurança de tecido são à volta. Também pode ser chamada de cirurgia conservadora da mama, de quadrantectomia, de segmentectomia ou de mastectomia parcial.

Taxanos

Grupo de medicamentos usados em quimioterapia.

Trastuzumab

Um dos primeiros medicamentos do grupo dos “Anticorpos Monoclonais” a ser utilizado na prática clínica e aplicado ao cancro da mama. Tem a particularidade de se dirigir apenas ao alvo, que são as células malignas, sem danificar as células normais.

quarta, 09 maio 2012 11:27

Álvaro Silva

Escrito por

Médico especialista em Cirurgia Plástica e Reconstrutiva

Experiência em todas as áreas da Cirurgia Plástica, dedicando-se especialmente à Cirurgia Mamária, estética e reconstrutiva, e ao tratamento de queimados.

quarta, 09 maio 2012 11:25

António Cardoso

Escrito por

Médico especialista em Imagiologia

Vasta experiência e especial dedicação à Imagiologia Mamária e à Radiologia de Intervenção.

quarta, 09 maio 2012 11:22

Fernando Osório

Escrito por

Médico especialista em Cirurgia Geral.

Vida profissional com especial dedicação ao estudo e tratamento da patologia mamária.